OS PAIS

Compartilhe:

Lourenço Braga, do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas

lourencodossantospereirabraga@hotmail..com

Neste tempo, os cristãos preparam-se para festejar, na Páscoa, o retorno à vida do grande Mestre Jesus, que aqui veio para semear e ensinar o Amor. Assim mesmo, com letra inicial maiúscula, fundado na compreensão e no perdão, proclamando-o como mandamento maior de entre os 10 entregues a Moisés. E  o Cristo não apenas falou do sentimento e da necessidade de incorporá-lo à crença, senão que o praticou em exemplos diários, até o final quando pediu a Deus que perdoasse seus algozes, por não saberem o que faziam, apesar de toda a crueldade e a barbárie a que foi submetido pela maldade e a ignorância humana, enfrentando e suportando dores físicas inimagináveis provocadas por açoites,  pregos e  espinhos que o fizeram sangrar até à morte. E enquanto aqui esteve, ensinando os caminhos da fé, sempre falou em nome do Pai.

Foi assim em todos os milagres que realizou, desde quando transformou em vinho de boa qualidade a água que seria servida a convivas em festa de casamento, quando ordenou ao paralítico que tomasse sua maca e caminhasse, quando  curou a hemorragia que atormentava uma mulher por anos seguidos, no instante em que devolveu a visão ao cego e até quando ordenou a Lázaro, morto e enterrado havia 4 dias, que saísse do túmulo  de volta à vida. Em tudo  falava de fé e ao dizê-la proclamava o amor ao Pai.

E é porque estamos vivendo o tempo reservado oficialmente à lembrança do quanto se deu com esse operário do Amor que resolvi escrever linhas que objetivam destacar a importância dos pais, aqueles que neste plano terrestre recebem como missão a árdua tarefa de moldar e encaminhar filhos que lhes chegam às mãos plenos de inocência e indefesos, incapazes mesmo de qualquer ato que lhes sirva de autoproteção. O colo materno, com o calor conhecido durante a gestação, o alimento vindo do seio abençoado, o abraço, o acalanto, o beijo  na fronte, tudo isso é ritual de amor para receber o novel vivente. Há exceções? Sim, mas delas não cuidarei justo por desejar destacar o afeto  maior de que falou o Mestre.

Começa ali, no instante do primeiro afago, um despertar para o desconhecido que aos pais vai caber apresentar, explicar, exemplificar a cada dia que se seguir, ajudando a construir, fazendo a luz. Talvez haja noites não ou mal dormidas, correria para hospitais ou para pajés, se  indígenas os pequenos, com aflição de susto, por choros inesperados que denunciem irregularidade física qualquer. Talvez haja dores por constatação de males que exijam atenção maior, e tudo é de ser  enfrentado com apoio no sentimento que nasceu, ou se fortaleceu, com o dar à luz. Esses sofrimentos, entretanto, jamais são mostrados, guardando-se sua demonstração para os instantes de solidão, nas conversas consigo mesmo, em lágrimas de silêncio, porque ao filho é preciso transmitir a  esperança e a confiança de que tudo será vencido, em nome de Deus. Na meiguice de cada instante, haverá sorrisos de coração em lágrimas.

Os pais que enfrentam desde cedo fortes desafios para vencer dificuldades de saúde de filhos de tenra idade aprendem antes de outros a conhecer, no mais íntimo de si, o poder da crença no Ser Supremo que jamais abandona  e, por isso, a cada dia se fortalecem na fé. E é tão grande o amor com que se dedicam, em forma de entrega e de renúncia, que seriam capazes de dar a própria vida para que no filho saudável ela pudesse continuar.

Os que receberam a missão dedicam-se a aprender no dia-a-dia de ensinar, porque não há manual que prepare a mulher e o homem para esse mister. É um processo de descoberta e erro, mas é, com certeza, um tempo de encontro interior, de superação de medos e de transmissão permanente de sentimentos que ajudam a construir e a amparar. E que será progressivamente mais rico se vivido e dividido em conjunto, com as dúvidas e as dívidas, pelos que de tanto foram incumbidos no âmbito interno da família. E se há amor, ali se multiplica a coragem e a dedicação mostra-se capaz de criar no outro confiança na superação.

E nada disso se resume ao tempo inicial da infância. Não! A missão dos pais apenas começa ali, mas se mantém e se torna progressivamente difícil na medida em que a vida se prolonga. Chega o tempo da escola, das dificuldades com as primeiras letras e os primeiros números, dos conflitos da convivência nova, das inquietações crescentes, de caminhos que sugerem descaminhos e que por isso precisam ser evitados, das tentações, dos tropeços, de reconstrução, e tudo isso, ainda que nem sempre se diga claramente, é dividido, porque vivido com alegria ou dor, com prazer ou preocupação, pelos que continuam a sentir-se responsáveis pelos sucessos que almejam ver, como se a compensar os esforços de todos os instantes que vão ficando pra trás.

É nos pais que os filhos costumam espelhar-se para construir seus cadernos de crença. E mesmo que nem sempre se deem conta, são também espelhos nos ensinamentos novos que atualizam os que lhes tomaram as mãos frágeis e inseguras nos passos iniciais. E tudo se faz mais fácil e forte se fundado em troca de sentimentos verdadeiros, sem joio qualquer para comprometer o trigo plantado em terra fértil para o alimento diário.

Tive o privilégio de vir ao mundo por Sebastiana e Lourenço e, bem mais, de tê-los ao lado e à frente, assim como em retaguarda permanente de cuidado e de amor, até próximo de completarem um século de vida física entre nós, mas afirmo sem medo de errar que tudo que plantaram em exemplo, confiança e segurança nos ensinamentos de cada dia faz que a vida deles se prolongue, em minha consciência, por todo o sempre.

Bem por isso que no 18 de março deste ano beijo teu espirito, Sebastiana, respeitoso e contrito, para festejar no íntimo de mim  115 anos de tua vinda a este mundo.

Os pais, ouso dizer em síntese, são símbolos do Amor que o Cristo ensinou.

Compartilhe:
Redação
Redação
Artigos: 6196