FOGUETE CHINÊS ABANDONADO IRÁ COLIDIR COM A LUA EM MARÇO

Compartilhe:
O impacto será a primeira vez que um lixo espacial atinge a Lua de forma acidental, e poderá não ser monitorado.

O foguete chinês abandonado Long March 3C foi encontrado esta semana por pesquisadores, que realizaram os cálculos e previram a colisão com a Lua em março.

É o mesmo foguete que lançou a missão Chang’e 5-T1 da China em outubro de 2014, sendo abandonado após cumprir sua missão e permaneceu em órbita do Sol sem poder ser observado até agora.

No início deste ano, foi encontrado pelas câmeras de um observatório, pouco tempo antes de uma aproximação com a Lua em 5 de janeiro.

Inicialmente, os astrônomos acreditavam que se tratava de um asteroide, porém com as novas observações realizadas, descobriram que na verdade era o foguete chinês abandonado.

Saiba mais sobre o foguete chinês abandonado que irá colidir com a Lua

Quando um objeto artificial é identificado, os dados são enviados para o Projeto Pluto, que não só mantém, como compartilha esse dado com outros observatórios, a fim de que não sejam confundidos com asteroides novamente.

A colisão foi anunciada em uma circular publicada pelo Projeto Pluto, em que comunicava que o foguete irá colidir com a Lua no dia 4 de março.

O impacto está previsto para ocorrer às 12:25:58 no horário universal, enquanto no horário de Brasília, deverá ser às 09:25:58.

O impacto deverá ser na cratera Hertzsprung, uma antiga e enorme cratera que fica no lado oculto da Lua, com aproximadamente 530 km de diâmetro.

Além disso, o projeto também publicou as coordenadas lunares onde o Long March deverá ser “sepultado”, com margem de erro de apenas alguns segundos e alguns quilômetros.

O foguete irá atingir a cratera numa velocidade superior a 9 mil km/h, escavando e vaporizando alguns metros do solo lunar.

Primeira vez que um lixo espacial atinge a Lua poderá não ser monitorado

O impacto será a primeira vez que um lixo espacial atinge a Lua de forma acidental, e poderá não ser monitorado.

O lado oculto da Lua não pode ser visto da Terra, e poderá ser monitorado por apenas algumas sondas orbitais, como a:

Lunar Reconnaissance Orbiter (NASA);

Chandrayaan-2 (da Índia). No entanto, essas sondas devem estar sobrevoando o local no momento em que o foguete atingisse a Lua, ou de algum ajuste em sua órbita, exigindo um gasto adicional de combustível.

Como resultado, esse gasto adicional de combustível pode fazer com que as agências americana e indiana desistam de monitorar o momento.

Outra possibilidade é o satélite DSCOVR, pois a Lua estará virada para ele no momento em que haverá a colisão, apesar de precisar de uma mudança de orientação do satélite.

O custo em combustível não seria significativo, mas a manobra iria o desviar de sua função principal de observar a Terra.

Possivelmente, os únicos dados do impacto deverão ser os cálculos do Projeto Pluto e as fotos da cratera, que devem ser tiradas pelas sondas em órbita da Lua, quando passarem pelo local.

Fonte: Olhar Digital

Compartilhe: