WCS facilitará gestão de projeto de conservação da bacia hidrográfica do rio Putumayo-Içá no valor de 12,84 milhões de dólares

Compartilhe:

Financiada pelo Fundo Global para o Meio Ambiente, os governos do Brasil, Colômbia, Equador e Peru irão liderar a iniciativa

A Wildlife Conservation Society (WCS) implementará uma doação de US$12,84 milhões do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF) para manter o alto estado de conservação da bacia do rio Putumayo-Içá na Amazônia, lar de alguns dos ecossistemas mais biodiversos do mundo.

Quatro países, Brasil, Colômbia, Equador e Peru, liderarão a iniciativa com uma visão compartilhada, que abordará as causas da poluição da água e da perda da biodiversidade na bacia. Com o cofinanciamento de quase 90 milhões de dólares dos governos anfitriões, ONGs e do setor privado, o projeto promoverá uma estrutura para o manejo integrado da bacia, com foco na preservação dos ecossistemas de água doce e seus recursos naturais associados, dos quais as comunidades locais dependem diretamente.

A bacia do rio Putumayo-Içá é o décimo maior afluente do rio Amazonas, abriga grande biodiversidade e fornece serviços ecossistêmicos inestimáveis. Suas águas proporcionam uma conectividade ininterrupta entre os Andes e o rio Amazonas, através de uma intrincada rede de rios, lagos e florestas inundadas.

O projeto será supervisionado pelo Banco Mundial como agência implementadora e executado pela Wildlife Conservation Society em colaboração com as comunidades locais, organizações de base e autoridades locais e nacionais.

Padu Franco, Diretor do Programa Andes, Amazônia e Orinoquia do WCS disse: “Estamos honrados em trabalhar com o Brasil, Colômbia, Equador e Peru nesta iniciativa financiada pelo GEF na bacia do rio Putumayo-Içá. Foram dois anos de construção e sabemos que isso criará as condições necessárias para proteger esta bacia hidrográfica e garantir o sustento das comunidades locais e dos habitats vivos para a fauna e flora por gerações futuras. Os quatro países que lideram este projeto se basearão em suas iniciativas de proteção das bacias hidrográficas existentes e desenvolverão uma estrutura compartilhada para a proteção destes ecossistemas únicos e relativamente intactos. A iniciativa reforçará o trabalho de conservação existente na Amazônia, onde temos uma longa tradição de trabalhar em parceria com governos, comunidades locais e outras organizações não-governamentais”.

O projeto da bacia hidrográfica do rio Putumayo-Içá terá dois componentes: a concepção e implementação de um sistema de gestão do conhecimento para melhorar o acesso e a utilização das informações para melhorar a tomada de decisões na bacia, incluindo um processo participativo para desenvolver um plano estratégico para o manejo integrado dos recursos hídricos; e a implementação de intervenções piloto para tratar de questões prioritárias, como o desenvolvimento de planos de manejo de pesca e de produtos florestais não-madeireiros, e a capacitação e promoção de melhores práticas para tratar do problema da poluição por mercúrio proveniente de atividades de mineração de ouro em pequena escala.

Wildlife Conservation Society – A WCS tem como missão proteger a vida silvestre e os lugares selvagens ao redor do mundo através da ciência, ações de conservação, educação e inspirando as pessoas a valorizar a natureza. Para cumprir nossa missão, a WCS, com sede no Zoológico do Bronx, aproveita o poder de seu Programa de Conservação Global em quase 60 países e em todos os oceanos do mundo e em seus cinco parques de vida silvestre na cidade de Nova York, visitados por 4 milhões de pessoas anualmente.

A WCS combina sua experiência no campo, zoológicos e aquários para alcançar sua missão de conservação.

Fotos: Carlos Castro e Pato Salcedo (crédito no nome do arquivo)

Compartilhe: