Vice-governador Carlos Almeida diz que marca do governador Wilson Lima é a prevaricação.

Compartilhe:

O vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida (PSDB), disse que a marca do governador Wilson Lima (PSC) é a prevaricação e que o chefe do Executivo governa apenas para atender interesses particulares. Carlos usou as redes sociais, nesta quarta-feira (04/08), para repercutir a saída do coronel Louismar Bonates, da Secretaria de Segurança Pública (SSP), ocorrida na última terça (03). Assumiu o general do Exército Carlos Mansur.

Carlos Almeida relembrou a decisão que tomou no dia 21 de julho quando exonerou o ex-secretário Bonates, da SSP, quando estava governador em exercício, durante uma viagem de Wilson Lima à Brasília (DF). “A decisão tardia do governador de substituir o titular da pasta de Segurança Pública, no rastro de minha determinação de exoneração do secretário, realizada no último dia 21 de julho, expõe que a prevaricação é uma das marcas do líder da gestão do Amazonas. Um governante que age visando satisfazer apenas seus interesses pessoais, e não motivado pelo escândalo que a permanência do secretário, liderando a pasta por meses a fio, representou aos amazonenses.

O vice-governador Carlos Almeida ressaltou ainda que o colapso na gestão Wilson Lima não termina com a que ele classifica como “manobra do governador” e aponta indícios para crimes cometidos no Governo do Amazonas. “Além da crise na Saúde, segundo investigações, diversos desvios éticos atingem outras camadas do governo. Condutas que só poderão ser sanadas quando a moralidade prevalecer sobre os interesses escusos, e quando o governo abrir suas portas para uma investigação aprofundada de todos os indícios de crimes e corrupção que acometem o gabinete do chefe do executivo”, escreveu Carlos Almeida nas redes sociais.

No dia 27 de julho, em entrevista ao programa 18 Horas da Rádio Mix FM, o vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida (PSDB), disse que o estado amazonense se encontra num rochedo, onde segundo ele, alertou a população em uma carta, no 18 de maio de 2020, quando pediu exoneração da Casa Civil. Ele citou o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ministro Francisco Falcão, de que um grupo criminoso, comandado pelo governador Wilson Lima, seguia cometendo crimes no Executivo Estadual.
“O estado do Amazonas se encontra exatamente no lugar que eu afirmei que iria se encostar (rochedo). O estado do Amazonas entrou para as páginas policiais do Brasil inteiro, e nós estamos pagando com escândalos a nível nacional e nós tivemos pagando isso com nossos irmãos morrendo no início do ano. Quem fala sobre isso é o ministro (Francisco) Falcão na decisão do dia 26 de maio, que tomamos conhecimento no dia 2 de junho deste ano. Ele afirmou que a cúpula da organização criminosa, comandada pelo governador continua delinquindo mesmo diante das investigações. Isso está na decisão do ministro”, comentou Carlos Almeida.

Fonte:https://bit.ly/3lAD4cc

Compartilhe: