Região Norte teve o melhor desempenho do setor imobiliário do País

Compartilhe:

Mesmo com crescimento expressivo, presidente do Sinduscon-AM acredita que o momento é de cautela

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) apresentou os indicadores do mercado imobiliário nacional, nesta segunda-feira (29). O levantamento realizado com 207 empresas do setor mostrou que dentre as cinco regiões brasileiras, a Norte foi a que obteve melhor desempenho. Fechando o período com percentuais positivos.

No 1º trimestre de 2023 em relação ao 1º trimestre de 2022, a Região Norte foi à única que fechou o período em ascensão, 6,1% nas vendas de imóveis. As demais, Nordeste, -6,3%; Centro-Oeste, -26,6%; Sudeste, -3% e Sul, -20,7% fecharam com desempenho inferior.

No comparativo do 1º trimestre de 2023 com o 4º trimestre de 2022, a Região Norte obteve o melhor indicador do Brasil, 17,5% em relação às vendas de unidades habitacionais. No final do ano, foram vendidas 1553 unidades habitacionais e, nos primeiros três meses de 2023, foram negociadas 1824 unidades. O Nordeste teve crescimento de 1,2% e as outras regiões: Centro-Oeste, -14,4%, Sudeste, -8,3% e Sul -2,6% ainda não apresentaram o mesmo ritmo de crescimento do ano anterior.

A CBIC atribuiu o expressivo potencial do setor imobiliário da região Norte à grande demanda do mercado. Em menor escala, o mesmo ocorreu na região Nordeste, apesar da queda no número de lançamentos, em nível nacional que chegou a 30,2%. “São regiões (Norte e Nordeste) onde tivemos, no último trimestre do ano passado, um grande número de lançamentos. O que mostra que nessas regiões as vendas estão ocorrendo numa velocidade, relativamente, melhor do que do ano passado em função dos lançamentos que tivemos no final do ano”, destacou o vice-presidente da CBIC, Celso Petrucci.

O Amazonas, que viveu o boom da construção civil entre 2012 e 2014, quando empreendimentos inteiros eram vendidos em poucos dias, embora esteja num patamar diferenciado em relação aos demais estados, encontra-se numa fase de cautela. “80% do mercado imobiliário amazonense está direcionado para o Minha Casa Minha Vida. Os lançamentos continuam atendendo o momento atual, mas nós temos um alto déficit habitacional. Vive-se um momento delicado devido ao endividamento da população e dificuldade de acesso às linhas de financiamento. Espera-se que o Governo Federal defina as regras para o Minha Casa Minha Vida o mais rápido possível, na expectativa de termos recursos para promover novos lançamentos. Há uma preocupação do setor de que o retardamento dessas medidas inviabilizem os lançamentos assim como novas contratações”, pontuou Frank Souza, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Amazonas (Sinduscon-AM).

Minha Casa Minha Vida

A continuidade do programa habitacional “Minha Casa Minha Vida” (MCMV) é uma das preocupações da CBIC. Isto porque os lançamentos de empreendimentos direcionados para as famílias de baixa renda diminuíram -48,9%, em relação ao 4º trimestre de 2022 e – 41,8% em relação ao 1º trimestre de 2022. “Há dois anos 56% do que era lançado era do programa Minha Casa Minha Vida. E, 44% eram de outros mercados ou valores. Nesse 1º trimestre, somente 35% foi do Minha Casa Minha Vida e 65% de outras categorias. Isso está acontecendo nos lançamentos e nas vendas também. Um total de 52% de vendas de unidades do 1º trimestre de 2021 eram do Minha Casa Minha Vida, caiu para 50% no mesmo período em 2022. Agora, somente 34% das 48 mil unidades são do MCMV”, salientou Petrucci.

As vendas acumuladas no último ano, nas 207 praças, fecharam num total de 303 mil unidades vendidas. Foram R$ 39 bilhões de VGV (Valor Geral de Vendas). O valor é similar aos trimestres passados, sendo que o mercado do MCMV perdeu espaço por falta de rentabilidade, o que desestimulou as construtoras. “Nós estamos trabalhando muito mais em outros mercados, do que no mercado do Minha Casa Minha Vida”, disse Petrucci.

O ex-presidente da CBIC, José Carlos Martins, enfatizou que uma das grandes lutas da entidade que representa 98 sindicatos e associações patronais de todo o País do setor da construção, é a negociação com o governo federal para a correção dos valores do MCMV. “Vamos nos reunir como governo para apresentar a defasagem e pedir a correção. Não podemos destacar ainda os novos valores”, frisou.

Intenção de Compra

O mercado corre contra o tempo para se adequar as necessidades dos clientes a fim de garantir as negociações. Cerca de 10% das 1.207 pessoas entrevistadas, no período de 15 a 30 de março (todas com idade superior a 20 anos e renda acima de R$ 3 mil), planejam adquirir um imóvel nos próximos 12 meses.

O motivo preponderante para a compra é a aquisição do primeiro imóvel. Segundo a pesquisa, 35% das pessoas querem sair do aluguel, 19% sair da casa dos pais e 12% trocar por imóvel maior. “Daí a importância do Minha Casa Minha Vida, ele beneficia um percentual de pessoas que não têm poupança”, explicou Fábio Tadeu, coordenador da pesquisa.

Compartilhe:
Redação
Redação
Artigos: 6524