Operação Bloqueio: técnico de vôlei é preso por favorecimento à prostituição e exploração sexual de alunos

Compartilhe:

Até o momento, 12 vítimas foram identificadas e há a expectativa de que o número seja maior

A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e Adolescente (Depca), deflagrou, no início desta terça-feira (14/11), a Operação Bloqueio e prendeu um técnico de vôlei, 40, por favorecimento à prostituição e exploração sexual dos próprios alunos, de 15 à 17 anos. Ele praticava atos sexuais contra os adolescentes com a promessa de torná-los atletas profissionais.

O delegado-geral da PC-AM, Bruno Fraga, destacou que a operação é resultado de uma investigação que transcorreu durante três meses e, até o momento, foram identificadas 12 vítimas das ações criminosas deste indivíduo.

“Os atos delituosos foram praticados em cima dos sonhos dos adolescentes, que almejam se tornar atletas profissionais de vôlei. Ele, de alguma forma, comprava os sonhos destas vítimas, em troca de atos sexuais. Mas, graças ao compromisso dos policiais civis da Depca, este homem foi tirado de circulação para ser responsabilizado por seus atos”, falou.

O delegado-geral também aproveitou a oportunidade para reiterar a importância da denúncia por parte de outras possíveis vítimas do, agora, ex-técnico de vôlei, para que os crimes sejam devidamente apurados.

Conforme a delegada Joyce Coelho, titular da unidade especializada, as investigações iniciaram após recebimento de denúncia anônima informando sobre um vídeo que teria sido compartilhado em um aplicativo de mensagens, entre os alunos de um colégio de rede pública, no qual o indivíduo aparece tendo relações sexuais com dois adolescentes.

“De imediato, trabalhamos para identificar quem seriam as vítimas e a primeira a ser identificada foi um adolescente de 16 anos, que nos relatou toda a história. Posteriormente, identificamos quem seria o agressor e constatamos que se tratava de um técnico da seleção amazonense de vôlei sub-16, com acesso a diversos alunos de escolas públicas e particulares”, disse Joyce.

De acordo com a delegada, o homem aliciava os adolescentes que tinham sonho em ser jogadores profissionais de vôlei, com a promessa de ascensão no esporte, o que causava um interesse muito grande por parte dos adolescentes e culminava com a exploração sexual.

“A partir da primeira denúncia, foi possível identificar seis vítimas e instaurar seis Inquéritos Policiais (IPs), sendo que cinco ainda estão em andamento. Quando passamos a proceder com as oitivas das vítimas, o homem passou a exercer pressão contra as vítimas para saber o que elas estavam falando na delegacia, ou seja, ele sabia da investigação em andamento”, contou.

Ainda segundo a titular, com base em todos os indícios, foi representada pela prisão temporária do homem, bem como pela medida cautelar de busca e apreensão em sua residência, uma vez que o indivíduo também gravava os atos sexuais como uma espécie de fetiche.

“Durante as investigações, descobrimos que ele pratica os mesmos crimes há quase 20 anos, por isso a operação foi batizada com este nome, pois ‘bloqueio’ é um termo utilizado no vôlei para interceptar o ataque do time adversário. Então, dada a gravidade deste homem para com os alunos, precisávamos frear as suas atitudes”, falou.

Joyce contou que a busca e apreensão solicitada à Justiça, teve como base a informação de que o homem cooptava adolescentes do interior, com a mesma promessa, e os trazia para residir consigo.

Durante diligência na residência do suspeito, foram encontradas seis vítimas e todas confessaram estar residindo no local, pois o homem alegava que desta forma a logística dos treinos seria mais acessível.

“Uma das vítimas é natural de Nova Olinda do Norte (a 135 quilômetros de Manaus) e iremos averiguar se a finalidade desta mudança seria a exploração sexual. Caso seja confirmada, ele será indiciado por tráfico humano. Além do cumprimento da prisão temporária, o indivíduo também foi autuado em flagrante pois estava dormindo na mesma cama com dois adolescentes, de 15 anos”, contou.

Ainda conforme a autoridade policial, também será checada uma possível negligência por parte dos responsáveis, tendo em vista que um dos adolescentes mora com o indivíduo desde os 11 anos. No entanto, também foi percebido que não há conivência por parte da maioria dos pais, pelo contrário, há um excesso de confiança nas promessas ilusórias.

Joyce declarou, ainda, que existe uma possível omissão por parte da Federação Amazonense de Voleibol, já que várias vítimas denunciaram formalmente e a Federação apenas instaurou sindicâncias internas, sem afastar o infrator do cargo, deixando-o ter acesso aos alunos.

“Iremos oficiar a Federação para que eles nos esclareçam a situação e nos respondam o porquê de não denunciarem os fatos à Polícia Judiciária, bem como nos encaminhem as sindicâncias”, pontuou.

Denúncias

A delegada enfatizou que é necessário que outras vítimas compareçam à Depca para denunciar, pois homens, com mais de 20 anos, comunicaram às autoridades policiais que teriam sido abusados pelo criminoso durante a infância e adolescência.

“O crime ainda não prescreveu, então as vítimas podem ir à unidade especializada e relatar todos os ocorridos. Agora chegou o momento de ele responder à criminalidade por todos os danos causados à integridade e segurança dos adolescentes”, salientou.

Procedimentos

O indivíduo responderá por favorecimento à prostituição, exploração sexual e armazenamento de imagens contendo cena de sexo e ficará à disposição da Justiça.

FOTOS: Erlon Rodrigues/PC-AM.

Compartilhe:
Redação
Redação
Artigos: 6524