‘O presidente está sendo jogado contra os amazonenses’, diz Arthur Neto sobre decreto federal que prejudica a ZFM

Compartilhe:

Foto – (Karla Vieira / Assessoria AVN)

Após reedição do decreto federal que mantém a redução de 25% do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) em todo o Brasil, o pré-candidato ao Senado e ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, cobrou o recuo do governo federal em face da medida prejudicar a Zona Franca de Manaus. “O presidente Jair Bolsonaro, que pleiteia a reeleição, está sendo jogado, pelo ministro Paulo Guedes, contra o povo amazonense”, declarou o político tucano em vídeo publicado em suas redes sociais.

“A Zona Franca de Manaus vive um momento de grandes ataques, que ameaçam o presente e o futuro de 500 mil empregos, entre diretos e indiretos. Essas sucessivas reedições do decreto são um golpe mortal nos produtos de linha branca fabricados no Polo Industrial de Manaus”, ressaltou Virgílio, que também preside o PSDB Amazonas.

Atuante em defesa da Zona Franca de Manaus, o ex-senador destacou as ações recentes que realizou para que o decreto seja revogado e o modelo ZFM assegurado. “Fiz o que pude como cidadão neste momento delicado. Entrei com duas ADPF’s no Supremo Tribunal Federal e, entrei, também, com duas ações populares na Justiça Federal”, explicou.

Além disso, o convite feito ao governador do Amazonas para se juntar a luta pelo Polo Industrial de Manaus se mantém de pé. “Soube que o governador do Amazonas vai ingressar no STF também. Ele é peça legítima pelo cargo que ocupa para mover ações desse gênero, através da Procuradoria Geral do Estado. Se a PGE entender que deve validar a segunda ADPF que levei ao Supremo, legitimado pelo PROS, a de número 952, será bom para o Amazonas e nossas chances de vitória aumentarão”, ressaltou Arthur.

Para enfrentar as consequências causadas pela reedição do decreto federal, o também ex-ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República no governo FHC pede união em torno da defesa da Zona Franca de Manaus e de seu progresso. “O momento pede a união de todos em defesa da única matriz econômica que garante os empregos dos amazonenses e sustenta a floresta em pé”, alertou.

UEA Ameaçada

O decreto de redução do IPI ameaça também a UEA que depende de investimento direto de Pesquisa e Desenvolvimento da Zona Franca de Manaus. “O futuro da UEA também está em jogo com esse decreto. A universidade amazonense depende, exclusivamente, de investimento de R$ 500 milhões advindos do PIM. São mais de 20 mil alunos, professores e profissionais em todo o Estado ameaçados com um decreto que pode causar desastre total ao futuro do Amazonas”, concluiu Virgílio.

Vídeo publicado em – https://www.instagram.com/p/Ccf7FzDFQ2s/ (Instagram) / https://fb.watch/ctlzg7T5Tq/(Facebook)

Compartilhe: