Médicos-veterinários são responsáveis pelo manejo sanitário dos animais mantidos nos canis militares no AM

Compartilhe:

É muito comum em operações de buscas, seja de pessoas ou materiais ilícitos, o emprego de cães farejadores. Porém, para que esses animais tenham melhor aproveitamento e estejam saudáveis, tanto psicologicamente quando fisicamente, é necessário cuidados exclusivos. Neste dia 17 de junho, em que é comemorado o Dia da Medicina Veterinária Militar, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Amazonas (CRMV-AM) ressalta importância desses profissionais que, atualmente, integram o quadro das três Forças Armadas do Amazonas: Exército, Marinha e Aeronáutica.

“Eu curiosamente fui o primeiro médico-veterinário da FAB (Força Aérea Brasileira) aqui em Manaus. Esse processo aconteceu em 2013, ainda não tinha passado nenhum veterinário pelo canil deles apesar de existir a possibilidade de convocação para esse quadro, mas aqui em Manaus ainda não havia e já era um canil relativamente antigo, já tinha alguma história”, conta o médico-veterinário, dr. Carlos Jatobá.

O profissional relembra que se tornou um médico-veterinário militar após passar em um processo seletivo. Ele passou sete anos atuando na FAB, na qual cuidava particularmente do canil, trabalhando com o manejo e a rotina diária dos cães. “As três Forças, hoje, elas contam nos seus quadros com a presença de médico-veterinário trabalhando em áreas diversas, que vão desde da clínica de pequenos animais, no caso os militares que trabalham nos canis, como também na parte de higiene e inspeção de alimentos – isso acontece muito no Exército, e também na parte de animais selvagens, devido ao zoológico do Cigs aqui em Manaus, mas isso é uma coisa exclusiva do Exército”, explica Jatobá.

De acordo com o médico-veterinário, o trabalho do canil é exatamente o manejo sanitário dos animais mantidos nos canis militares, no qual esses são empregados diariamente em atividades, seja ela de segurança de instalações ou, ainda, no caso de necessidade de apoio para missões externas que demandem a presença de um cão para complementar o serviço de segurança.

“Todos os animais da Força Aérea daqui de Manaus trabalham com o faro. O trabalho meu, como médico-veterinário, era justamente garantir a perfeita sanidade desses animais para que eles pudessem desempenhar essas funções sem nenhuma intercorrência de saúde, pois são animais que trabalham diariamente, treinam diariamente, fazem muito esforço diariamente. Então, a garantia do sucesso dessas atividades era assegurada pelo médico-veterinário juntamente com o seu efetivo dos canis”, afirmou Carlos.

E incluído nesse manejo diário, o dr. Jatobá informou que a atividade vai desde uma avaliação diária do estado de saúde de cada animal, controle de vacinação, controle de parasitose, controle de zoonose, como também a alimentação e suplementação de muito boa qualidade. No caso dos canis, não são todos que fazem reprodução, muitos canis já recebem animais adultos ou a partir dos 8 ou 10 meses de idade e, com pouco menos de 1 ano, são animais que já tem aí seu trabalho iniciado.

“Uma coisa que eu digo para todo mundo é que aquele que deseja ingressar no serviço militar, que entre com a mente aberta para vivenciar experiências. Muitas vezes você pode ser deslocado para áreas que não têm nenhuma relação direta com a sua, mas faz parte da sua carreira como militar. Então o que eu recomendo para todo mundo é que se envolva com o serviço militar, com a rotina de um quartel, que aquilo vai fazer parte da sua vida, enquanto estiver dispondo do seu tempo de serviço”, finaliza o médico-veterinário falando sobre o serviço militar.

Foto: Divulgação / CRMV-AM

Compartilhe: