Itamarati prestigia mulheres com políticas públicas voltadas a elas.

Compartilhe:

Município instituiu projeto “Mães solo” e várias outras ações de auxílio às mulheres em situação de vulnerabilidade social

No Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, a prefeitura de Itamarati (situado a 983 quilômetros de Manaus) promoveu um encontro festivo onde foram destacadas as ações direcionadas às mulheres que residem naquela localidade. Um dos projetos de maior impacto social é o “Mãe Solo”.

O projeto foi criado para atender mães que são viúvas, separadas ou cujos filhos não foram reconhecidos pelos respectivos pais. “Essas mulheres enfrentam sérias dificuldades por não contarem com o apoio dos pais das crianças. Não é apenas uma questão de divisão de tarefas quanto aos cuidados mas, principalmente, de atenção básica. Como têm de cuidar dos filhos, essas mulheres não conseguem exercer uma ocupação fora do lar, ficando seriamente comprometida a sua subsistência e do restante da família”, explicou a primeira-dama de Itamarati, professora Áurea Marques, uma das grandes incentivadoras da iniciativa.

As mulheres inscritas no “Mãe Solo” recebem uma cesta de alimentos reforçada contendo café, arroz, açúcar, feijão, leite, farinha, margarina, bolacha e diversos outros itens que permitem a elaboração de refeições fartas e nutritivas para a família.

Além disso, a prefeitura de Itamarati implantou, no município, o “Cartão Municipal de Transferência de Renda Vida Melhor”, que também beneficia as famílias, em especial as mulheres em virtude de muitas serem arrimo de família. “Os técnicos da Secretaria de Ação Social visitam todos os inscritos que declaram não possuir renda fixa. Quando é identificado que a pessoa está em situação de vulnerabilidade social, ou que integra o grupo dos que sofrem com carência alimentar, ela é incluída na relação dos que receberão o cartão”, explicou Áurea Marques.

Os inscritos no “Vida Melhor” recebem um cartão onde a prefeitura deposita, mensalmente, R$ 400 de crédito para ser utilizado no comércio local. A quantia contribui para o bem-estar dos usuários e também movimenta a economia do município.

Renda

Para reduzir o índice de desemprego, que é ainda mais alto entre as mulheres, a prefeitura de Itamarati realiza constantes cursos profissionalizantes a fim de gerar oportunidades no mercado de trabalho e fomentar o empreendedorismo entre elas. Em 2022, a prefeitura promoveu um curso de corte e costura. Ao final, muitas alunas, além do diploma, receberam da prefeitura uma máquina de costura para iniciar uma atividade rentável.

“Esse foi o início de um projeto maior. A prefeitura de Itamarati pretende, no futuro, contratar mulheres para confeccionar sacolas retornáveis que serão distribuídas, gratuitamente, para a população. Com isso, o volume de resíduos causados pelas sacolas plásticas será reduzido, protegendo o meio ambiente e, ao mesmo tempo, o município estará proporcionando renda para as itamaratienses”, prospectou a primeira-dama.

Cuidados com as crianças e adolescentes

Itamarati mantém, em funcionamento, a Creche Municipal Santa Luzia, que fornece educação infantil para cerca de 200 crianças ao longo dos turnos matutino e vespertino. O espaço – além de proporcionar a base dos conhecimentos que irão auxiliar no desenvolvimento social, cognitivo e de linguagem –
permite que os pais exerçam suas ocupações com tranquilidade enquanto seus filhos são bem cuidados.

Para contribuir com o desenvolvimento físico, os jovens recebem aulas de Taekwondo no Centro de Referência de Assistência Social (Cras). “A arte marcial tem contribuído para a assimilação de técnicas de autodefesa, o que é muito importante para as meninas em virtude do alto índice de violência doméstica”, pontuou Áurea Marques.

Segundo dados do Painel de Indicadores Criminais de Mulheres Vítimas de Violência Doméstica da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Amazonas, foram registrados em Itamarati, em 2022, 22 casos de assédio sexual, ato obsceno e estupro. No ano passado, houve aumento de 45,46% desse tipo de crimes. Neste período, foram registrados 32 casos. A maioria das vítimas era mulher.

Compartilhe:
Redação
Redação
Artigos: 6409