Ato em Manaus distribuirá mudas amazônicas em alusão ao Dia do Meio Ambiente

Compartilhe:

Evento acontece neste sábado, às 9h, na praça da Polícia

Movimentos sociais e organizações da sociedade civil irão realizar, neste sábado (4), um ato em defesa do meio ambiente, da Amazônia e dos indígenas. O evento inicia às 9h e é uma alusão ao Dia do Meio Ambiente, celebrado em 5 de junho. O ato ocorrerá na praça Heliodoro Balbi (praça da Polícia), no Centro de Manaus, e terá distribuição de mudas amazônicas, panfletos e manifestações artísticas.

Segundo a presidente do Sindicato dos Docentes da Universidade do Estado do Amazonas (Sind-UEA), Márcia Medina, o ato busca alertar para o avanço dos ilícitos ambientais (desmatamento, grilagem, garimpo ilegal) na Amazônia e o ataque sistemático aos povos indígenas que habitam esses e outros espaços. Ela também é egressa do mestrado em Direito Ambiental da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

“Nosso intuito é nos unirmos e juntos darmos um grito em favor da Amazônia, da preservação da biodiversidade e pela defesa dos povos originários que são os verdadeiros donos dessas terras. Como uma metrópole no meio da floresta, é nossa obrigação defendermos essa pauta e nos manifestarmos publicamente sobre isso”, afirma ela.

O ato ocorrerá no Projeto Jaraqui, já tradicional no Centro de Manaus. Serão distribuídas mudas de plantas e árvores amazônicas, além de panfletos informativos e de alerta para a questão ambiental. Haverá também discussões acerca dos principais ataques sofridos pela Amazônia e manifestações artísticas através da música.

Ameaças

Em abril, último mês da estação chuvosa da região amazônica, uma área de 1.197 km² foi desmatada na Amazônia, tamanho equivalente à cidade do Rio de Janeiro. O número é 54% a mais do que o registrado no mesmo período de 2021 e o pior percentual de desmatamento em 15 anos. Os dados são do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

Além do crescimento dos ilícitos ambientais, indígenas estão sendo ameaçados no Congresso Nacional com a tramitação dos projetos de lei 191/2020, que libera a mineração em terras indígenas, e 490/2007, que institui a “tese” do marco temporal, proibindo a demarcação de terras indígenas para os povos expulsos de seus territórios originários.

Organização

Integram o ato o Movimento Vozes do Silêncio; coletivo Mulheres da Educação; Partido Socialismo e Liberdade (Psol); Sindicato dos Jornalistas do Amazonas; núcleo do Partido dos Trabalhadores em Petrópolis; Sind-UEA; partido Rede; SitraAM/RR; Adua; Partido Comunista Brasileiro (PCB); Juventude PCB; Sintesam; CSP-Conlutas; Floresta Manaós; Companhia Vitória Régia de Teatro; Mama; Ama; Projeto Jaraqui; SOS Encontro das Águas; Núcleo de Cultura Política da Ufam; e Cooperativa de Produtores Rurais Assentados do AM.

Compartilhe: