Armando Mendes recebe homenagem na Espi, instituição que administra o Bolsa Universidade criada por seu pai, Amazonino Mendes

Compartilhe:

O empresário Armando Mendes, recebeu, nesta quinta-feira (06/07) o diploma de Honra ao Mérito comemorativo dos 27 anos da Escola de Serviços Público Municipal e Inclusão Socioeducacional (Espi) de Manaus, instituição que gerencia o Bolsa Universidade, programa que já beneficiou mais de 160 mil pessoas desde à sua criação e foi implantado por seu pai, o ex-governador do Amazonas e ex-prefeito de Manaus, Amazonino Mendes.

Após a solenidade, na Câmara Municipal de Manaus, Armando disse em suas redes sociais que teve a alegria de receber o diploma em reconhecimento a “um eficiente programa de inclusão educacional que complementa a nossa UEA (Universidade do Estado do Amazonas)”, também obra de Amazonino Mendes.

“São políticas públicas transformadoras, que ressignificam vidas, impactam positivamente a economia e criam um mundo de oportunidades. Agradeço pelo reconhecimento de todos. Parabéns aos que mantiveram e mantêm esses projetos vivos e vibrantes, especialmente ao amigo e ex-prefeito Serafim Corrêa, que me comoveu pelas palavras de carinho a mim, ao meu pai e à minha mãe Tarcila”, disse Armando.

Armando também afirmou que “investir na educação de um povo é o maior legado de um homem público” e parabenizou “a todos que acreditam na educação como um instrumento de transformação da humanidade”.

O Bolsa Universidade foi criado por Amazonino Mendes em 2009, quando prefeito de Manaus. É um programa socioeducacional, com a finalidade de conceder bolsas de estudo Integrais (100%) e Parciais de 75% (setenta e cinco por cento) e 50% (cinquenta por cento) do valor das mensalidades dos cursos de graduação e sequenciais de formação específica, a estudantes de baixa renda, comprovadamente sem condições de custear seus estudos, em Instituições Particulares de Ensino Superior, estabelecidas na cidade de Manaus.

O programa é diferente de muitos programas de incentivo ao Ensino Superior, pois, no caso de Manaus, o estudante não devolve a quantia investida em seu aprendizado. Ele presta contrapartida participando de projetos educacionais, sociais, culturais, socioambientais, entre outros, implementados pela Prefeitura de Manaus e por seus parceiros. Com isso, o estudante alia o aprendizado teórico, adquirido em sala de aula, à prática, complementando o processo ensino-aprendizagem.

Compartilhe:
Redação
Redação
Artigos: 6409