Ajuri de inscrições do edital para Agentes Territoriais de Cultura movimenta Casarão da Inovação Cassina

Compartilhe:

Representantes da música, dança, audiovisual e artes cênicas esclareceram as dúvidas para disputar 11 vagas destinadas para o Amazonas

Nesta terça-feira, 21/05, representantes do Comitê de Cultura no Amazonas (Cecam) promoveram um ajuri de inscrições sobre a iniciativa do Programa Nacional dos Comitês de Cultura (PNCC), em parceria com Institutos Federais, para detalhar o edital de inscrições para Agentes Territoriais de Cultura (ATC), que oferta 601 vagas para todo o país, sendo 11 para o Amazonas. O evento, que aconteceu durante três horas em formato híbrido (presencial e online), foi realizado no Casarão da Inovação Cassina, localizado na rua Bernardo Ramos, no Centro de Manaus.

“A ideia é fortalecer o diálogo com a sociedade civil organizada, produtores culturais e trabalhadores da cultura. Para que isso aconteça é necessária essa aproximação do Ministério da Cultura com a sociedade e com os territórios. Não se trabalha a cultura de cima para baixo, uma vez que a elitização impede o avanço. A gente está discutindo a participação social e a democratização. É um trabalho em conjunto de formiguinha. Essa é uma missão dos 26 estados da federação e o Distrito Federal”, explicou Marcos Rodrigues, coordenador do Cecam.

Os ATC são pessoas físicas selecionadas por meio de editais públicos, com conhecimento sobre as dinâmicas culturais e territoriais de suas comunidades. Após a seleção, eles recebem formação continuada para promover a mobilização social, comunicação e desenvolvimento de atividades culturais em seus territórios.

O cantor e tecladista do ritmo beiradão, Jair Alves, veio do Careiro da Várzea, município da região Metropolitana de Manaus, para entender o passo a passo para efetivar sua inscrição. “A gente ainda sofre bastante preconceito. No Amazonas, ainda somos chamados de loucos. Temos de nos reinventar e criar alternativas sempre. Como ATC, poderei contribuir para divulgar a cultura, o que pode levar a valorização de todos os profissionais do setor”, prospectou Jair, que tem 20 anos de profissão.

O MC e produtor cultural de hip hop, Lúcio Huilame, acredita que a função é uma grande oportunidade de alcançar novos públicos. “Como Agente Territorial de Cultura vamos poder expandir nossas ações, levando, por exemplo, a cultura hip hop, o grafite, a literatura, a arte para jovens da periferia. Vamos fomentar a cultura em locais, que muitas vezes não tem este tipo de acesso”, celebrou Lúcio.

Reta final de inscrições

A coordenadora metodológica do Comitê de Cultura do Amazonas, Isabella Petry, esclareceu que somente pessoas físicas que tenham pelo menos 18 anos, residam na região correspondente à vaga e possuam reconhecida atuação cultural podem se inscrever até o dia 27 de maio. “O ATC pode participar de editais relacionados a projetos culturais, mas fica impossibilitado de receber outra bolsa ofertada pelo Ministério da Cultura”, afirmou. Isabella reiterou que o WhatsApp para tirar dúvidas continua funcionando até o último de inscrições, (92) 98118-7164.

Nacionalmente, são oferecidas 601 vagas distribuídas nas cinco regiões do Brasil. São destinadas 64 vagas para a região Norte; 175 vagas para a região Nordeste; 56 vagas para a região Centro-Oeste, 203 vagas para a região Sudeste e 103 vagas para a região Sul.

Para o Amazonas são destinadas 11 vagas distribuídas nos municípios de Manaus, Tabatinga, Eirunepé, Tefé, São Gabriel da Cachoeira, Coari, Manacapuru, Parintins, Itacoatiara, Lábrea e Manicoré. As inscrições podem ser feitas na página do Mapa da Cultura (https://mapas.cultura.gov.br/).

Benefícios

Os selecionados receberão bolsa mensal de R$ 1.200,00 durante 12 meses, renovável por igual período; auxílio inclusão digital único no valor de R$ 1.000,00; e auxílio inclusão digital mensal de R$ 25,00.

Os ATC terão de cumprir carga horária semanal de 20 horas. Para estudos e formação continuada são destinadas 5 horas; para planejamento e orientação, 2 horas; para articulação e mobilização, 10 horas; para registro, organização de materiais e reflexão, 3 horas.

Segundo Ruan Octávio da Silva Rodrigues, coordenador do Escritório Estadual do Amazonas da Diretoria de Articulação e Governança da Secretaria dos Comitês de Cultura do Ministério da Cultura, os ATCs irão interiorizar a cultura. “Esse é o momento em que os territórios poderão ter acesso de verdade à política pública de cultura que é produzida nas suas regiões. Os Agentes Territoriais irão contribuir com esse processo de popularização”, declarou.

Compartilhe:
Redação
Redação
Artigos: 6397